Seu filho xingou, e agora?

Eis que de repente, num belo dia, você ouve seu filho pequeno soltar um palavrão. Ele ouviu em algum lugar, talvez de você mesmo, e entendeu qual o contexto para utilizá-lo. E agora, o que fazer? Sem dramas, existem alguns cuidados para evitar valorizar a atitude da criança.

1Ensine pelo exemplo: não fale palavrões, esta é a melhor forma de evitar que seu filho o faça. Se ele ouviu na rua, na escolinha, mas vê não fala, vai conseguir que ele siga o seu exemplo e não o dos outros.

2Não tem graça: tem gente que ri quando ouve uma criança falar palavrão, mas se você o fizer, vai incentivá-lo, pois é divertido para ele fazer um adulto achar graça de alguma coisa.

3 Nada de ofensas: explique para a criança que um palavrão não é algo bacana, pois magoa as pessoas. Faça com que seu filho se coloque no lugar da pessoa ofendida e pergunte se ele gostaria de ser tratado daquele jeito.

4Não se incomode: se a sua reação for exagerada, é bem possível que seu filho passe a falar mais palavrões pelo simples prazer de chamar sua atenção. Portanto, não valorize a situação. Aos poucos, a criança vai perceber que não está dando o resultado almejado e vai desistir de provocar.

5Sinônimos: ensine à criança que existem palavras e expressões que podem fazê-lo colocar a raiva para fora quando dá uma topada com o dedo do pé, ao invés de xingar. Ensine expressões engraçadas para usar nessas ocasiões, ele vai gostar.

Mais acessadas

Fases do Desenvolvimento Infantil (0 a 6 anos)

Berçário, Pré-Maternal, Maternal I, Maternal II, Jardim A e Jardim B
Faixa etária: 0 aos 6 anos

"A trajetória que uma criança percorre desde que começa a deixar de ser bebê (dependência total), até começar a se transformar em um ser mais independente e autônomo está relacionado tanto às condições biológicas, como aquelas proporcionadas pelo espaço familiar e social (escola), com o qual interage."

Saiba como substituir um alimento por outro

Seu filho não gosta de maçã? Não tem problema, há diversos alimentos que podem substituir essa fruta. A seguir, saiba como substituir certos alimentos por outros que oferecem os mesmos nutrientes. Também confira dicas para se aproveitar melhor os alimentos – em uma receita ou com algum ingrediente.

• A ABOBRINHA pode ser substituída por abóbora japonesa, berinjela, chuchu e moranga, que são fontes de minerais. Coloque-os na lasanha (foto), por exemplo.

• A BANANA pode ser substituída por abacate, mamão e morango, que ajudam a regular as taxas de colesterol. Batidas, compotas ou tortas são possibilidades.

• O BRÓCOLIS pode ser substituído por couve-flor, couve e repolho, que agem contra o câncer. Refogue e misture no arroz. Ou sirva cozido junto a molhos.

• A COUVE pode ser substituída por acelga, escarola e espinafre, aumentando as defesas do organismo. Coloque em omeletes, suflês, panquecas e massas.

• A MAÇÃ pode ser substituída por goiaba, laranja e pera, que são igualmente ricas em fibras. A dica é misturar na salada ou fazer um suco com uma fruta.

Para quê a criança brinca?

Os jogos, inicialmente, eram encarados como oportunidades de descarga de energia para as crianças, atividade que se explicaria por si só. Hoje há unanimidade em que o brincar tem função essencial no processo de desenvolvimento da criança, principalmente nos primeiros anos de vida nos quais ela tem de realizar a grande tarefa de compreender e se inserir em seu grupo. Constitui a função simbólica, desenvolver a linguagem, explorar e conhecer o mundo físico. Desde bebê a criança dedica grande parte de seu tempo à exploração do mundo material no qual está inserida de forma que o possa compreender e utilizar.

Últimas do Blog

Como escolher a creche para seu filho

Escolher em qual creche colocar o filho não é uma tarefa fácil. Existem vários critérios que precisam ser analisados, sem deixar que o lado emocional – bastante sensível nesta fase de separação – interfira. Anote os pontos principais que devem ser levados em consideração:

Saiba como fortalecer a conexão com seu filho

Uma pesquisa que acompanhou 700 famílias durante sete anos mostrou que as crianças que tinham um bom relacionamento com os pais tinham mais chances de controlar as próprias emoções. O estudo foi publicado na Finlândia neste ano e comprovou a importância do vínculo entre pais e filhos.

Facebook

Somos 5 Estrelas

 

Conheça a Escola Mundo do ABC

Umas das Poucas Escolas de Porto Alegre
Certificada pelo Conselho Municipal de Educação

(51) 3381-8201

Av. Iguaçu, 321 - Petrópolis

mundodoabc@mundodoabc.com.br