Como responder a cinco frases que as crianças dizem e machucam

pai-brigando-com-filhoPronunciadas por um filho, frases como “papai, eu te odeio” ou “mamãe, eu nunca mais quero falar com você” podem machucar qualquer pai ou mãe. Mas, embora doam na hora, os pais não devem levar tais “ataques” muito a sério. Não se pode interpretar o que a criança diz como se ela fosse um adulto. Ou seja, os pais não devem levar para o pessoal o que o pequeno filho expressa quando está com raiva de alguma situação em que seus pais o contrariaram.

Não é verdade que a criança odeia seu pai ou nunca mais falará com sua mãe. É apenas a forma com que o filho encontra para chamar a atenção dos pais – “presta atenção no que está acontecendo”. Logo, os pais precisam entender o que a criança está alertando. Os pais não devem atentar para aquilo que o filho falou, mas ao que o motivou a falar aquilo. Dica: quando a criança falar alguma frase ofensiva, questione-se: “por que meu filho está tão nervoso por agora”.

“Eu te odeio”
A criança está com muita raiva e vê nessa frase a melhor forma de desabafar. Além disso, ela sabe que, ao dizer “eu te odeio”, deixará o pai ou a mãe muito chateados. Normalmente alcançar o seu objetivo. O melhor a se fazer diante da frase dita é não ceder ao que a criança almeja. Fique calmo, respondendo com um “mas eu te amo” e continue a fazer o que fazia. Isso desarmará a criança.

“Eu quero que você morra”
Uma frase que dói mais que a anterior. O motivo por trás da sentença é similar a do caso anterior. A criança está com raiva e fala o que vem à cabeça, sem ter medido as consequências. O ideal é que o pai ou a mãe não retruquem o filho como se estivessem dialogando com um adulto. Na sequência, procure saber se há algo que possa fazer para ajudar a reduzir a raiva que a criança sente.

“Eu que mando aqui, você não manda em mim”
A criança que não aceita muito os limites impostos pelos pais dentro de casa geralmente diz esse tipo de frase. Mas é importante que, desde pequena, a criança ouça que são os pais que mandam nela, não o contrário. Portanto, no momento que o filho diz tal frase, os pais devem logo dizer que mandam na casa e nela, sem exceções. Não se sinta culpado e imponha os seus limites.

“Eu quero agora”
Novamente, os limites. Embora todas as pessoas, crianças e adultos, queiram que as coisas aconteçam na sua hora, os pais devem explicar à criança que ela não vai conseguir o que deseja naquele momento, mas no momento que for adequado. Exemplo: no shopping, a criança vê um quiosque de sorvete e pede. Os pais é que decidem: se a decisão for por “hoje não”, assunto encerrado.

“Se você não fizer, o pai vai fazer” – e vice-versa
Se o filho diz essa frase, é porque ela é verdadeira e ele percebeu a ponto de usá-la a seu favor. É fundamental que o pai e a mãe tenham regras entre si em relação ao filho. O que um acha certo, o outro deve achar certo. E o que um acha errado, o outro também deve achar errado. A boa educação parte desses princípios. Então, se o filho vier com a frase acima, os pais devem conversar.

Mais acessadas

Fases do Desenvolvimento Infantil (0 a 6 anos)

Berçário, Pré-Maternal, Maternal I, Maternal II, Jardim A e Jardim B
Faixa etária: 0 aos 6 anos

"A trajetória que uma criança percorre desde que começa a deixar de ser bebê (dependência total), até começar a se transformar em um ser mais independente e autônomo está relacionado tanto às condições biológicas, como aquelas proporcionadas pelo espaço familiar e social (escola), com o qual interage."

Saiba como substituir um alimento por outro

Seu filho não gosta de maçã? Não tem problema, há diversos alimentos que podem substituir essa fruta. A seguir, saiba como substituir certos alimentos por outros que oferecem os mesmos nutrientes. Também confira dicas para se aproveitar melhor os alimentos – em uma receita ou com algum ingrediente.

• A ABOBRINHA pode ser substituída por abóbora japonesa, berinjela, chuchu e moranga, que são fontes de minerais. Coloque-os na lasanha (foto), por exemplo.

• A BANANA pode ser substituída por abacate, mamão e morango, que ajudam a regular as taxas de colesterol. Batidas, compotas ou tortas são possibilidades.

• O BRÓCOLIS pode ser substituído por couve-flor, couve e repolho, que agem contra o câncer. Refogue e misture no arroz. Ou sirva cozido junto a molhos.

• A COUVE pode ser substituída por acelga, escarola e espinafre, aumentando as defesas do organismo. Coloque em omeletes, suflês, panquecas e massas.

• A MAÇÃ pode ser substituída por goiaba, laranja e pera, que são igualmente ricas em fibras. A dica é misturar na salada ou fazer um suco com uma fruta.

O papel do educador infantil

O educador infantil tem um papel muito importante no desenvolvimento de uma criança. Entre suas atribuições, esse profissional é responsável por propiciar experiências que ajudem a criança a desenvolver suas capacidades cognitivas (atenção, memória, raciocínio, entre outras). Trata-se de um processo longo, desenvolvido de forma contínua e dinâmica a partir dos primeiros anos de vida.

Dentro desse processo, o professor deve impor limites às crianças na escola. Ainda que a atitude de dizer “NÃO” possa ser prejudicial ao desenvolvimento da criança, em determinadas situações é essencial que os educadores tenham o compromisso ético de combater, por exemplo, possíveis apelidos pejorativos colocados entre os alunos. Ao impor limites, evita-se expor a criança a alguma situação embaraçosa. Aliás, tema atual que deve ser debatido em sala de aula.

Outro ponto ao qual o professor deve estar atento está ligado às preferências. É essencial que o tratamento a todos os alunos seja igual. Elogios a um aluno e comparações entre um e outro podem fazer uma criança se sentir rejeitada. Portanto, todos os alunos devem receber o mesmo tratamento, sem exceções.

O educador infantil é o personagem que, além dos pais, será um espelho para a criança. Assim, uma boa educação infantil tem o papel de formar a criança e transformá-la no futuro em um homem ou uma mulher que faça a diferença na sociedade. Tudo isso começa pela sala de aula da escola de educação infantil.

Últimas do Blog

Meu filho tem medo do escuro! E agora?

Na hora de dormir, você apaga a luz do quarto e seu filho começa a chorar? Antes de tudo, calma! O medo de escuro é algo comum na infância e surge geralmente a partir dos 3 anos de idade, desaparecendo por volta dos 7. O principal motivo é a imaginação fértil e aflorada da criança, que é muito estimulada por histórias, contos, desenhos e até notícias. E isso muitas vezes a impossibilita de diferenciar a realidade da fantasia.

7 itens importantes na escolha da creche

A tarefa é das mais importantes: escolher em qual creche colocar o filho. Para ajudar na procura, avaliação e definição, relacionamos algumas dicas para orientar mães e pais aflitos pela mudança na vida do filho, pois o pensamento é de que tudo seja perfeito. Portanto, anote:

Facebook

Somos 5 Estrelas

 

Conheça a Escola Mundo do ABC

Umas das Poucas Escolas de Porto Alegre
Certificada pelo Conselho Municipal de Educação

(51) 3381-8201

Av. Iguaçu, 321 - Petrópolis

mundodoabc@mundodoabc.com.br